NOTA: Alguns documentos abaixo são apresentados de forma resumida, pois podem ser constituidos de dezenas de páginas.








Tratou-se de crime de "cárcere privado" com agravante penal de ter sido em hospital, e mediante fraude, drogando a vítima, (Ennis Meier) para confundir o diagnóstico dos médicos.
A intenção do declarante era também atingir a "família Meier", dizendo ser doença hereditária.




Comissário de Polícia não pode fazer declarações médicas, e o Dr. Osvando de Andrade megou em Juizo ter dado alguma ordem de internamento. (veja adiante a declaração em juizo)

A observação (doença hereditária) tem a intenção de atingir a família !


 


Juizo de Direito da Segunda Vara de Orfãos e Sucessões do Estado do Rio de Janeiro - Cartório do Terceiro Ofício.
Ação em juizo próprio, (juizo natural) movida pelo Procurador Geral de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, pedindo a INTERDIÇÂO de Ennis Alfredo Meier.

CONCLUSÕES: (Perito Médico)
"Após examinarmos, exaustivamente e por um longo tempo o paciente, não observamos nele qualquer sinais de patologia mental de tipo psicose (alienação)."  --- Talvane Marins de Morais. 


O Ministério Público (Curadora da Vara) ao ter ciência do Laudo Médico do Dr. Talvane Marins de Moraes. (18 de novembro de 1975) desistiu da Ação de Interdição proposta pelo Procurador Geral de Justiça, que automaticamente 'transitou em julgado', não cabendo recurso em instâncias superiores.

O Despacho da curadora, referindo-se ao Laudo Médico, foi o seguinte:  - " Tendo em vista o Laudo de fls... não há porque insitir na petição original."  (tecnicamente bloqueou qualquer Recurso)

(essa curadora foi ameaçada pelo Procurador Geral por esse decpacho, e ela procurou o juiz da vara e disse que estava sendo ameaçada, e que a estavam obrigando mudar o despacho.
O juiz disse a ela: - "Diga ao seu chefe que eu já dei a Sentença". 

O Juiz BATALHA estava de férias, e já tinha ameaçado Wilson de prisão, se voltasse para saber quem foi nomeado como perito médico.

(tudo isso Ennis ficou sabendo por intermédio de um Juiz amigo, que dialogava com esses juizes)
 



Laudo Pericial do Dr. Talvane Marins de Morais tem 13 páginas, onde diz que o exame durou 9 meses, entrevistando dezenas de passoas da convivência familiar e no trabalho do Ennis.

Termina dizendo:
"ENNIS ALFREDO MEIER exibe traçõs de uma personalidade neurótica onde pontificam a anciedade e introverção, sem entretanto exibir alterações mentais do tipo psicótico (alienação). Isto mostra que, do ponto de vista psiquiátrico não está o paciente incluido na rúbrica legal "Loucos de todo a gênero", possuindo, por isso, total capacidade para  gerir e reger pessoalmente os atos da vida civíl.

É NOSSO PARECER,

Rio de Janeiro 20 de novembro de 1975

Talvene Marins de Morais.
.............................
.............................












(cópia Xerox com mais de 40 anos) 


A Sentença Judicial que deveria ter feito o delegado Bodstein calar a boca e parar com a campanha difamatória:


Sentença em Juizo Próprio, (juizo natural) falou a maior autoridade médica da especialidade no Brasil, e o autor da Ação, Ministério Público, ao saber as Conclusões do perito médico, retirou a sua pretenção.  --- Transitou em Julgado.




A SENTENÇA:

... O DISPOSITIVO.  
Por tais razões, e pelo que dos autos consta, Indefiro do pedido de Fls 2.
Rio de Janeiro, 17 de feveiro de 1976

Juiz Dr. José Affonso .... (juiz em exerício)
 

 

 


A declaração difamatória assinada por Wilson, foi afixada por Wilson em clube de radioamadores, onde Ennis comercializava os aparelhos da sua fabricação.
Foi enviada para todos os fornecedores, e bancos que a "Trans-Ennis" tinha relações comerciais.


(Naqueles dias a graduação de Comissário foi extinta e todos passaram a Delegados)



O Dr. Osvando Morais Andrade, disse em juizo que "não chegou a nenhuma conclusão" e que para melhor observação deveria ser internado. (ele era Diretor/proprietário da Clinica Botafogo e a mera sugestão de internamento era também do interesse comercial do doutor)

A consulta foi uma "armação" do delegado Bodstein, pois era a esposa quem estava sendo consultada. --- Ennis foi chamado apenas para dar informações sobre a esposa.





(transcrição)


13ª Vara Criminal --- Processo 35.581


2ª Testemunha:  Dr. Oswaldo Moraes Andrade- disse que já depôs sobre o caso do depoente mas; não numa Delegacia; que por duas vezes o acusado campareceu ao consultório do depoente para ser examinado; que da primeira vez compareceu o dr, Olímpio Pereira da Silva colega do depoente, do IML e da outra vez não se recorda se o acusado compareceu sozinho ou acompanhado; que Wilson Oacyl que também acompanhou o Dr. Olimpio na primeira consulta; que conversou com o acusado nessa primeira visita mas não chegou a nenhuma conclusão por que achava que o mesmo ou qualquer um deveria internar-se para ser melhor observado; que sugeriu que se quizessem que o depoente ficasse numa observação melhor; que 
fosse o paciente internado; que numa entrevista não dava para dignosticar alguma coisa relativa a sua especialidade, relativo ao paciente; que a aparência do acusado que era aparência tensa; que os acompanhantes do acusado não votaram a procura-lo; que da segunda vez se não se engana o acusado compareceu ao consultório acompanhado da esposa; que na segunda consulta o depoente prescreveu, medicações, digo, medicação ansiolítica recomendando-o se tratasse; que não se reccroda se ouvi outras consultas; que nunca receitou nada fora da presença do acusado; que já deu um parecer por escrito respondendo a consulta do Sanatório Botafogo, no mesmo sentido do depoimento que ora preta. Não se recordando que tenha ou não indicado a internação; que tem a impressão de que receitou 10 mg por dia de uma medicação ansiolita; que não se lembra quantos vidros receitou. PELO, dr.assistente; que conhece o irmão do acusado como médico; que não se recorda se a mãe e o irmão do acusado estiveram no consultório; que não se recorda se a internação não se deu por questões financeiras, nada ....


Nota: Wilson ofereceu refrigerante com drogas, (boa noite sinderela) afim de confundir os médicos do Pinel. (atestaram que "Ennis se encontrava sonolento, sem condições para uma entrevista")

No Relatório APROVADO pelo Secretário de Segurança, visto adiante, Wilson foi INDICIADO por crime de ter feito uma prisão sem comunicar aos superiores.









No alegado "apartamento alugado para a amante do Ennis", na rua Almirante Alexandrino, Wilson encontrou 2 técnicos em eletrônica trabalhando !!!




A cópia Xerox tem 42 anos e por isso transcrevemos abaixo:

"Eu Jorge Gomes, brasileiro, residente à rua Marques de Abrantes N. ... apt 501, técnico em eletrônica, para fazer prova em Juizo, que no dia 11 de maio do corrente ano, fui despedido sem aviso prévio, ou  qualquer vantagem, da firma Trans-Ennis Instrumentos e Controles Ltda, situada à rua Almirante Tamandaré, 66 sala 740, sob a informação que a firma estava sendo fechada pela polícia .... bem como o pagamento referente a última semana que foi dado pelo Dr. Wilson Oacyl Bodstein.  O sócio gerente da firma era o sr. Ennis Alfredo Meier, pelo que dou fé.  --- Rio de Janeiro, 11 de dezembro de 1972 --- Jorge Gomes. (firma reconhecida)



 



              Outro técnico despachado da Trans-Ennis no dia 11 de maio de 1072
                    


 
Transcrição do documento acima:

"ANTONIO CARLOS BROWNE é solteiro, residente a rua Paissandú n
º179  apt 1204, nesta cidade, tendo por profissão radio-tecnico, declaro para fazer prova em juizo, que no dia 11 de maio do corrente ano, fui despedido da firma Trans-Ennis Telecomunicações e Controles Ltda. instalada a rua Almirante Tamandaré, 55 sala 740, sob a informação de que a firma estava sendo fechada, não me foi dado aviso prévio, ou qualquer vantagem, além do pagamento referente a semana que findava, a notícia como a importância referida, foi dada pelo Dr. Wilson Oacyl Bodstein. O sr. Ennis Alfredo Meier era o sócio gerente e o seu internamento causou estranheza, pois na convivência diária nada fazia suspeitar qualquer problema psiquico, por ser verdade assino,  Rio de Janeiro 11 de dezembro de 1972, ANTONIO CARLOS BROWNE."  (fime reconhecida em Cartório)





 




 

 

 

Veja o Relatório APROVADO pelo Secretário de Segurança do Estado do Rio de Janeiro, GENERAL ANTONIO FAUSTINO DA COSTA, onde Wilson Oacyl Bodstein é enviado para Inquérito Administrativo. Nesse Relatório Wilson foi indiciado em 5 crimes praticados contra Ennis.

Inquérito feito pelo Estado, e no jargão policial chamam de GELADEIRA) porque a polícia não dá mais cargos quem vai para INQUÉRITO.

Em 20 dias o Coronel Edmundo Murgel exonerou Wilson do SNI e como diz o Relatório, Wlson ficou aguardando RELOTAÇÂO e logo foi para o Inquérito Administrativo, que durou mais de 1 ano.
Chegou a ser nomeado como sub-diretor da Polinter mas não ficou 1 mês e foi exonerado.


CLIQUE para ler o Relatório APROVADO !


No Relatório Wilson está sendo Indiciado criminalmente por ter prendido Ennis, sem comunicar aos chefes.   Fez tudo escondido as 6 horas da manhã, quando no prédio do DOPS só havia o pessoal da limpeza.